Vídeo mostra homem que recusou abordagem de policial negro importunando mulheres em bar. VEJA AS IMAGENS

Um homem, de 26 anos, foi preso neste sábado (9) suspeito de praticar injúria racial contra um policial militar, além de outros crimes em um bar no Distrito Federal. Segundo a PM, ele se negou a ser abordado por um militar negro. Antes disso, o homem já tinha sido flagrado cometendo outros delitos.

O caso aconteceu em um estabelecimento no Setor de Hotéis e Turismo Norte, na orla do Lago Paranoá. Câmeras de segurança registraram, por exemplo, o momento em que o jovem importunou mulheres e foi reprendido.

O homem acabou autuado por injúria racial, porte de substância entorpecente para consumo pessoal, furtos diversos, outras fraudes, ato obsceno e desacato. Segundo testemunhas, já na delegacia, o pai dele foi até o local e também repreendeu o jovem.

A Polícia Militar afirma que foi acionada por seguranças do estabelecimento, porque o homem estaria nitidamente alterado, furtando celulares, importunando mulheres e fazendo uso de entorpecentes.

Os militares foram até o local e encontraram o jovem caído e ferido, fora do bar. De acordo com a corporação, ele teria sido agredido por pessoas que estavam no estabelecimento.

Testemunhas contaram que quando o homem chegou no bar, perguntou por um conhecido, que seria cliente. De acordo com informações do boletim de ocorrência, ele "ficou perambulando pelo local, inclusive entrando em embarcações alheias, e foi visto furtando bebida de uma delas".

Ainda segundo a ocorrência, o suspeito foi visto também furtando o celular de um funcionário enquanto o aparelho carregava a bateria. O homem teria provocado e desafiado clientes e funcionários do local e, "inclusive se exibindo de forma obscena", informou a Polícia Civil.

O 2º sargento Shemeorerk Apoliano contou que mandou o suspeito ficar de pé e colocar a mão na cabeça para que fosse feita a revista pessoal. Nesse momento, ele reagiu com agressividade.

"Ele disse que não era preto para ser abordado e que também não aceitaria ser revistado por policial preto. Imediatamente demos voz de prisão. Entre as ofensas que ele proferiu, ele disse que a gente não sabia com quem estávamos falando, que ele já tinha estudado na Espanha e falava três idiomas", lembra Shemeorerk.

Com o homem, os policiais militares encontraram um comprimido, que foi apreendido e encaminhado à perícia para confirmação ou não de que se trata da droga “ecstasy”, que provoca alucinações.

Como estava ferido, o homem foi levado ao Hospital de Base do Distrito Federal, onde ameaçou funcionários e militares. A Polícia Militar afirma que "usou meios legais para conter o homem". Após o atendimento, ele foi encaminhado à 5ª Delegacia de Polícia, na Asa Norte.

Fonte: G1
PostarEscrevaum Comentário
Cancel