Conselho da Polícia Civil aprova demissão de delegado Da Cunha, que pode ficar inelegível

O delegado youtuber Carlos Alberto da Cunha, conhecido nas redes sociais apenas como Delegado da Cunha, poderá ser exonerado da Polícia Civil de São Paulo após o Conselho da Polícia dar parecer favorável à demissão, que terá decisão final do governador do estado, Rodrigo Garcia (PSDB).

As informações sobre a decisão do conselho são do jornal Folha de S. Paulo, que confirmou o parecer com cinco integrantes da cúpula da Polícia Civil. A decisão foi motivada após o chefe dos investigadores comandados por delegado afirmar que que o vídeo mais famoso produzido por Da Cunha em seu canal foi forjado.

Na publicação, o delegado mostra detalhe da operação que teria capturado um suposto chefe do PCC conhecido como Jagunço do Savoy. O homem preso, no entanto, segundo os depoimentos, não se trata do criminoso. O delegado também teria manipulado outras operações, em uma delas ele devolveu um sequestrado ao cárcere junto com o sequestrador apenas para fazer uma filmagem. Ele admitiu a encenação.

Pesa ainda contra ele suspeitas de enriquecimento usando a imagem da Polícia. As manipulações nos vídeos seriam para aumentar o engajamento em seus perfis nas redes sociais para lucrar mais com as publicações. Ele chegou a ser indiciado por peculato.

Da Cunha foi afastado das funções de rua desde que o caso veio à tona por ‘representar um risco para a sociedade’. Nas redes sociais, no entanto, ele mantém postagens que mostram que ele atuando em operações pelas ruas em São Paulo. Em uma delas, ele aparece na cracolândia em posse de uma arma longa. Ele ainda responde a outros cinco processos na Polícia Civil.

Atualmente filiado ao MDB, ele é pré-candidato ao cargo de deputado federal. Segundo o jornal, caso a demissão seja confirmada, ele poderá ficar inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. Ele chegou a dizer em determinado momento que concorreria ao cargo de governador, mas foi barrado pela legenda logo em seguida.

Ao jornal, o delegado não se manifestou. Ele costuma usar as redes sociais para rebater as acusações. Até o momento, no entanto, não publicou nenhuma referência ao tema. Nesta sexta-feira 3, o delegado se limitou a republicar um trecho do vídeo em que diz que ‘vai entrar para a política sim’, justificando que sua decisão seria para a lutar ‘contra a corrupção de raposas e ratos’ eleitos pelo atual sistema.
PostarEscrevaum Comentário
Cancel