Morador de rua flagrado com esposa de personal aparece dirigindo Porsche

O morador de rua Givaldo Alves virou celebridade no Distrito Federal após ser flagrado tendo relações sexuais com a esposa de um personal trainer. O carinho com o baiano é tanto que ele foi bastante tietado enquanto dirigia um carro importado da marca Porsche pelas ruas de Planaltina.

O vídeo foi gravado neste quinta-feira (24) e repercutiu nas redes sociais. Nas imagens é possível ver Givaldo sendo cercado por celulares que o filmavam. Não se sabe de quem é o carro.

O morador de rua Givaldo Alves falou pela primeira vez após virar notícia e meme no Brasil inteiro por ter sido flagrado transando com a esposa de um personal trainer em Planaltina, no Distrito Federal. Em entrevista ao portal Metrópoles, ele, que é baiano, afirmou que a relação foi consensual e que a mulher que o convidou.

Na versão narrada por Givaldo, de 48 anos, ele andava tranquilamente pela rua quando a mulher se aproximou e gritou: "moço, moço. Quer namorar comigo?"

Leia também: Morador de rua baiano relembra encontro com esposa de personal: 'Não me arrependo'

Ao ouvir o convite, o baiano titubeou, afirmando que não tinha tomado banho. “Moça, eu não tenho dinheiro, sou morador de rua. Não tenho dinheiro nem para te levar ao hotel. Então, ela disse: ‘Pode ser no meu carro’”, contou.

Hoje em situação de rua, Givaldo conta que já exerceu diversas atividades laborais, como operário de construção civil e motorista de produtos perigosos. Ele foi casado e tem uma filha de 28 anos.

Antes de aparecer em Planaltina, ele peregrinou por cidades da Bahia, Tocantins, Minas Gerais e Goiás. Desde que chegou ao Distrito Federal, alterna a rotina nas ruas entre abrigos públicos e casas de passagens, contou ao Metrópoles.

Na entrevista, ele rebateu a versão do personal trainer, que afirma que a esposa foi vítima de estupro. “Deus me colocou em um lugar cercado por câmeras que comprovam não ter havido nada disso (estupro). Se fosse outro morador de rua, possivelmente já estaria preso”, disse, aliviado.

Ao ser agredido pelo educador físico, Givaldo conta ter reagido e revidado. “Nós trocamos socos”. O sem-teto diz que só tomou conhecimento de que a mulher era casada quando recebia atendimento médico no hospital. Até então, ele achava ter sido vítima de uma retaliação após testemunhar um motorista em um carro arrastando propositalmente uma mulher, na região, alguns dias antes. Por essa razão, deduzia que o autor do crime poderia estar se vingando.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Finanças