Ex-funcionários acusam Gabriel Monteiro de assédio sexual e moral, além de estupro

O vereador Gabriel Monteiro (RJ) foi acusado por assessores e ex-funcionários do seu gabinete de cometer assédio sexual e moral. As denúncias foram exibidas no Fantástico, da TV Globo, no domingo 27. Uma mulher que preferiu não ser identificada diz ter sido estuprada pelo ex-policial, que também mantém um canal no YouTube.

Segundo a mulher, as relações sexuais eram, no início, consensuais e passaram a ser forçadas por Monteiro posteriormente.

“Teve um momento em que ele usou força. Ele me segurou e foi com tudo. Me deixou sem saída”, diz a mulher em seu depoimento.

Já a ex-assistente de produção de Monteiro Luiza Batista relatou que ele a abraçava por trás e tentou forçar beijos durante as suas atividades. Ela ainda conta que o vereador costumava andar nu.

“Uma vez foi no carro. Ele começou pedindo pra fazer massagem no meu pé […] Eu tentava tirar o pé e ele segurava. Aí foi começando a passar a mão nas minhas pernas. Foi para o banco de trás e começou a me agarrar, me morder, me lamber”, diz a ex-funcionário em um trecho do relato.

“Toda vez ele ficava descendo a mão. Cansou de passar a mão na minha bunda. Eu segurando a mão dele. Queria tirar a minha vida […] Eu me sentia culpada”, acrescenta Luiza, que diz ter procurado ajuda de um psiquiatra após sete meses atuando para Monteiro.

Os assessores parlamentares Mateus Souza e Heitor Monteiro contaram à reportagem que o vereador os forçava a fazer carinhos, incluindo nas partes íntimas.

“Eu pedia pra parar e ele não parava […] de mandar eu ficar fazendo carinho nele”, disse Souza. “Em todas as regiões do corpo […] Já chegou a pedir também [na região genital]”, acrescenta Heitor Monteiro ao relato.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Finanças